Não vá à Praia do Sono no Réveillon

Fica aqui meu apelo: por favor, não vá à Praia do Sono no Réveillon. Faça esse favor a você mesmo, mas, principalmente, à praia e à comunidade caiçara.

É claro que o turismo traz também muitos benefícios aos moradores, principalmente econômicos, mas o excesso de pessoas tem sido um problema para a região. Para vocês terem uma ideia, no ano passado foram 14 mil pessoas (!!!) em uma praia que no dia-a-dia é habitada por apenas 400 famílias. Isso as pessoas que foram pra outras praias próximas ou até voltaram pra casa porque simplesmente não tinha mais lugar pra tanta gente*. 

-> Veja também: guia de Paraty.

A maioria das pessoas que decide passar lá a virada do ano, vai esperando ter tranquilidade e paz em uma praia selvagem. Mas acredite: isso é o que você menos vai encontrar lá. Embora a praia seja, de fato, muito linda e isolada, prepare-se para esperar de 3 a 4 horas por um PF, para a falta de água doce nos campings e para lidar com grandes grupos que colocam música alta e nem sempre coletam seu próprio lixo.

Praia do Sono no Réveillon(OBS: A segunda foto é ilustrativa. Não foi tirada na Praia do Sono)

Esse paraíso merece ser visitado por você em melhores circunstâncias.

Quando ir, então?

– No Carnaval, também fica cheio demais, embora um pouco menos. Tente ir em feriados prolongados (fica cheio, mas em uma quantidade razoável/tolerável) ou em dias normais nas férias de verão.  Fins de semana comuns também são uma boa opção, embora o bate-e-volta seja bem corrido se você não tiver como tirar pelo menos um dia a mais de folga. 

Sugestões de praias nos arredores

Praia do Sono no Réveillon
Depois da Praia do Sono, tem as praias de Antigos e Antiguinho, mas nelas não há camping autorizado. Mas continuando na trilha, você chega em Ponta Negra. Ali sim, tem campings e um pouco mais de tranquilidade, embora também fique cheia. Não deixe de conhecer a Cachoeira Saco Bravo, na região conhecida como Ponta da Joatingaque forma uma piscina natural e desemboca no mar. 

Praia do Sono no Réveillon
Foto: Visite Paraty

Quer mais opções?

Saco de Mamanguá, apontado por muitas pessoas que moram em Paraty como um dos locais mais bonitos da região, a praia de Martim de Sá (também fica bem cheia no ano-novo, mas ainda menos que o Sono) e a Praia Grande de Cajaíba.

Ah, mas eu quero ir pro Sono no Réveillon mesmo assim…

OK, tudo bem, mas algumas dicas:

– Tente reservar o camping pelo telefone ou então chegar no Sono o quanto antes (dia 28, 29, no máximo). Depois disso e sem reserva, você corre o risco de ficar sem lugar! 

– Leve bastante comida pra não depender dos PFs e nem das mercearias de lá, que tem poucas opções e cobram caro. 

– Se puder, faça as trilhas durante o dia para os locais citados aqui na matéria mesmo assim. Mas calcule bem o tempo para ter certeza que voltará ao Sono antes de escurecer. 

– Respeite o meio-ambiente, a população local e a cultura caiçara! 

– Divirta-se e não fique estressado com os perrengues e a quantidade de pessoas: pelo menos, você foi pra lá já sabendo disso tudo, ao contrário de muita gente que tem a expectativa frustrada! 🙂

 

* Esses números me foram passados durante uma entrevista informal com um morador da praia do Sono, em outubro de 2016. Estão coerentes com o retratado nessa reportagem, que menciona 10.000 pessoas em 2013. Eu, particularmente, nunca fui pra Praia do Sono no Réveillon, mas estou me baseando em relatos confiáveis dos moradores e de vários amigos próximos.

Qualquer dúvida, pode falar nos comentários, por e-mail (blogwheninrio@gmail.com) ou pelo inbox da página no Facebook!

Blog especializado em conteúdo sobre o Rio de Janeiro, com dicas tanto para turistas quanto para moradores.
7 comments
  1. […] A Praia do Sono é bem conhecida e tem frequentadores fiéis. É considerada uma das praias mais bonitas da região, mas evite no Réveillon, Carnaval e feriados prolongados, como eu disse no post: não vá a praia do Sono no Réveillon. […]

  2. Muito bem colocado, Manu! Fui ao Sono pela primeira vez no réveillon de 2013- 2014 e pela ultima vez no réveillon de 2016- 2017. Fui um total já de 5 a 6 vezes ente réveillons e carnavais. É muito nítido o crescimento do numero de visitantes ano a ano e o impacto que isso tem na praia. Na ultima visita, só conseguia comer fora dos horarios de pico e ainda assim demorava demais (quem já foi sabe que o atendimento já é normalmente um pouco lento, com fila então….), campings lotados, muita sujeira.. A fila pro barco na hora de ir embora chegava a dar treta por senha. Tava difícil até de conseguir um lugar pra estender a canga. Uma pena. Como vc disse, o Sono é um lugar maravilhoso e que vale demais conhecer, mas pra curtir propriamente a praia, agora só “fora de epoca”

    1. Pois é! Triste, mas espero que aos poucos vá voltando ao “normal”.

      Obrigada pelo comentário com a sua experiência. Beijão!

  3. Vamos lá… Desde 2012 tenhos passado todas minhas viradas lá. Os locais vivem dos ganhos dos feriados, principalmente réveillon e é visivel que ano apos anos eles se adequam mais para atender ao publico. Desde 2015 já é bem mais facil comer nos restaurantes de lá, alem de diversas opçoes, existem também algum self services, onde evita a espera.
    Ultimamente também não tem tido problema de falta de agua. Energia só falta quando chove acaba alguma arvore danificando a rede.
    Nunca conheci ninguem que foi pro sono mesmo no dia 31 só pra passar a virada e nao conseguiu camping, sempre é possivel dar um jeitinho.
    Pra mim o sono é o melhor lugar do mundo, desde que conheci me apaixonei e nao me vejo passando a virada em outro lugar!

    1. Oi, Ton!

      Primeiro de tudo, obrigada por comentar e mostrar seu ponto de vista. Claro que a intenção do post não é de maneira alguma fazer com que ninguém mais vá pra lá, mas sim colaborar para que o turismo na região seja feito em um nível mais sustentável.

      Eu também amo o Sono. Já fui pra lá algumas vezes, sempre fora de temporada, e esse post foi feito inclusive com base em relatos dos moradores.

      Esse “jeitinho” que você fala é feito muitas vezes às custas dos recursos naturais do lugar, entende? Acho que se quisermos que a praia continue sendo o paraíso que é, temos que pensar de uma maneira mais ampla.

      Beijos,
      Manuela

  4. Obrigada, foi realmente útil esse post. Quero ir nesse ano novo de 2017-2018 mas não queria tanta muvuca. Já vi que não tem como.

    1. Pois é! Mas a região de Paraty tem vários lugares que ainda são tranquilos. Chegou a ver?

      No próprio post eu listo algumas alternativas.

      Que bom que foi útil. Fico feliz!

      Manuela

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *