O Rio do Leblon

rio-leblon-beach-by-fabiola-bezerra
Foto: Fabiola Bezerra/rio.com

O Leblon é provavelmente o bairro mais associado ao Rio de Janeiro. Graças ao Maneco, no pacote somos todos injustamente caracterizados como seres bronzeados e atléticos, que tomam um chope pós-praia no Jobi e levam o cachorro para passear no calçadão no domingo. 

Moro na Zona Sul, mas nas poucas vezes que fui ao Leblon me senti como se não estivesse no Rio. Encaro quase como uma experiência antropológica. Na última, acabei indo numa boate. Uma boate no Leblon. Eu. Sim.

E em pouco tempo percebi o quanto aquele Rio do Leblon não me representa. Filas consideráveis na porta. Pessoas que furaram a fila minutos antes falando grosso com o segurança, como se fosse ele o responsável pela demora. E isso tudo só antes de entrar.  Lá dentro, me deparei com um local escuro e claustrofóbico onde até o fumódromo é fechado.  

Para piorar, fui lembrada que ainda existem homens que tocam em você e no seu cabelo sem a sua permissão. E que olham feio para os seus amigos gays. Pode parecer normal para alguns, mas isso não acontece nos lugares que eu costumo frequentar. Ainda bem!

E essa brincadeira, só pra entrar, custou 35 fucking reais.  Barato para os padrões leblonenses. Para os meus, uma pequena fortuna. Com 35 reais, eu bebo cerveja de garrafa nos botecos da Voluntários e ainda faço a rica no cachorro-quente de um real. Com 35 reais, eu pago a conta de 4 no trailer (mané food truck) do Chico.  Com 35 reais eu faço mágica em tempos de crise.

Falem o que quiser da esquerda-ciranda-Praça São Salvador. Mas eu ainda prefiro viver nesse eterno carnaval. Ir para a Voluntários e deixar a noite fluir naturalmente, indo parar em uma festa doida na Glória ou indo ver o nascer do sol em Copacabana.  E nesse meio caminho, encontrar muita gente querida, participar de rodas de conversa aleatórias e ir colecionando histórias assim, sem perceber.

Para mim, o melhor do carioca é essa espontaneidade, é essa capacidade de deixar a vida comandar pelo menos um pouquinho. Vida, só não me leva mais pro Leblon.

* Momento jabá: aqui no When in Rio eu faço toda semana a agenda alternativa da cidade, onde você fica sabendo do que tá rolando de bom e barato por aqui. E sem incidentes desagradáveis como os relatados nesse texto.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *