Réveillon em Copacabana: um guia de sobrevivência

Desculpa aí mundo, mas aqui no Rio dois dos maiores shows da Terra são nossos: o Carnaval e o Réveillon em Copacabana. Entre os cariocas, o Réveillon está longe de ser uma unanimidade. Tem gente que ama, enquanto outros falam abertamente “credo, prefiro passar a virada até dormindo” ou “quero viajar pra não acabar passando em Copacabana”.

Mas uma coisa é certa: ver o festival de cores e formas que se anuncia no céu de Copacabana é uma experiência que todos deveriam ter pelo menos uma vez na vida. Resolvi fazer esse pequeno guia prático de “sobrevivência” para os marinheiros de primeira viagem. Mas se você é carioca da gema e já está pós-graduado no Réveillon em Copacabana, dê aquele scroll de leve assim mesmo. Tem dicas que podem ser úteis! 

Foto: Best Day blog

Transporte

Metrô

O maior drama do Réveillon em Copacabana é sempre o mesmo: chegar e ir embora. Pra quem não tem a sorte de estar hospedado por lá, o melhor (e muitas vezes único) jeito é o metrô. O bairro tem 4 estações: Cardeal ArcoverdeSiqueira CamposCantagalo e General Osório (acesso D – Rua Sá Ferreira).

O que você precisa saber é que o Metrô funciona em um esquema especial de Réveillon. Os cartões Riocard, Bilhete Único e pré-pago não são aceitos nesse dia! Você precisa comprar um bilhete especial com horário da ida pré-determinado, em um intervalo tipo 20h-21h, 21h-22h, etc. O valor é o mesmo (R$4,30 cada trecho), é mais pra controlar o fluxo de pessoas. Esses cartões são vendidos em algumas estações específicas, não em qualquer uma. Mais informações aqui.

Metrô Réveillon em Copacabana
 Uma boa dica é ir mais próximo do fim do intervalo de horário que você comprou. Exemplo, chegar na estação 21h40 se você comprou o das 21h, porque a tendência é que a maior parte das pessoas vá logo depois das 21h. Só cuidado para não se atrasar e perder a hora, principalmente se tiver com grupo grande!

Outros

Nem pense em ir de carro. Vai por mim: não vale a pena. O estacionamento é só para moradores do bairro no dia 31, várias ruas são fechadas e fica tudo um caos! Táxis e ônibus só entram lá até 22h. Depois disso, podem no máximo te deixar na Lagoa. Ah, e os táxis normalmente cobram valores fixos altíssimos (no popular, ‘corrida no tiro’) devido à grande procura. E o Uber provavelmente vai estar com uma tarifa dinâmica recordista!

 Sugestão: na Rua Siqueira Campos, tem um acesso fácil a Botafogo, pelo Túnel Velho. No dia-a-dia não é o caminho mais agradável e seguro do mundo, mas na virada muita gente faz isso, então é de boa. Em 15 minutos você já tá em Botafogo, com muito menos confusão caso você precise pegar um meio de transporte para outros bairros mais distantes.

Atrações

Esse ano (2017-2018), o Réveillon em Copacabana promete ser maior ainda. A queima de fogos vai ter 17 minutos, com transmissão nos telões gravadas a partir de drones. O tema deste ano será “O Revéillon do Abraço”, em referência à música de Gilberto Gil em homenagem ao Rio: “Aquele Abraço”.  Em relação às atrações, a programação é a seguinte, com shows a partir de 18h:

  • DJ Tucho
  • Ana Petkovic
  • Naldo Benny
  • Belo
  • Cidade Negra
  • Frejat
  • Queima de fogos
  • Anitta
  • G.R.E.S. Portela e G.R.E.S. Mocidade Independente de Padre Miguel.

Quem quiser algo mais elaborado, tem opções de festa particular em quiosques da praia ou em outros locais, como a do Pura Vida Hostel que eu falei aqui nesse post. Inclusive, tá rolando uma promoção lá na página, sorteando dois ingressos para a festa. Vê lá e participa!

 A maior concentração de pessoas e cecê por m² é sempre perto dos palcos e das estações de metrô. Então se der, prefira outros pontos da praia.  Eles vão estar levemente menos lotados mais vazios.

Segurança

No geral, o clima que reina nas ruas é de paz. A maioria das pessoas vai estar vestindo branco, felizes, curtindo a virada em família ou com seus amigos. Mas é aquela coisa, né: são dois milhões de pessoas. Então tem que tomar cuidado.

Roubos, ou seja, assaltos com algum tipo de violência, são relativamente raros.  Mas os furtos são bem comuns, por conta da aglomeração de pessoas. O bom-senso já deveria ser suficiente, mas pra reforçar:

  •  Não leve muita coisa de valor. Nem pense em ir usando jóias, relógios caros, bolsa Chanel, etc. E a não ser que você seja um fotógrafo e viva disso, deixe sua câmera poderosa em casa.
  • O meu kit básico: chave, carteira de identidade, algum dinheiro, cartão de débito e celular. É, não tem muito jeito. Hoje em dia quase ninguém sai sem celular, até porque ele é importante pra você não ficar incomunicável. Se você tiver aquele tijolão encostado em casa que liga, manda SMS e tem o jogo da cobrinha, eu acho uma boa levar! 
  • Nunca, nunca, nunca deixe suas coisas no bolso, principalmente celular. Se não tiver jeito, deixe pelo menos no bolso da frente e preste muita atenção! Aquelas doleiras na cintura são uma ótima pedida.

 Com crianças:  já passei várias viradas de ano em Copacabana quando eu era criança, e eu morria de medo de me perder! Nos pedaços mais cheios, se a criança for pequena, o ideal é colocá-la no cangote. Combinar um ponto de encontro caso vocês se percam e colocar uma identificação com nome e telefone é uma boa. Na virada, tem bastante policiamento, então orientá-la a procurar policiais ou guardas municipais caso se perca também é importante.

Banheiros

Na virada, é uma das poucas épocas do ano que a Prefeitura lembra que as pessoas têm necessidades fisiológicas e resolve colocar banheiros químicos na rua. Mas, obviamente, nunca é o suficiente! Então algumas considerações sobre isso:

  • Vá pra fila antes de ficar muito apertado pra não ficar no desespero.
  • Bares e restaurantes costumam ou cobrar pelo uso do banheiro ou restringir a clientes. Eu costumo deixar para comprar algo que eu compraria nos ambulantes (água, cerveja, etc) e uso o banheiro como cliente. 
  • Em último caso, tem sempre o mar… Mas último caso né, please!
  • Não aconselho a fazer na rua! Tem gente demais passando e você ainda corre o risco de levar uma multa pela fiscalização do Lixo Zero (R$600, chooora).

Comes e bebes

Tem muita coisa vendendo na praia, principalmente bebidas nos ambulantes. Comida é mais nos bares e restaurantes da região, mas prepare-se para preços ainda mais caros do que já são. Sinceramente, recomendo fazer um jantar caprichado em casa pra não precisar comer lá. E se quiser economizar, combina com a galera de levar um isopor, gelo e a própria cerveja. 

Tradições

Pra quem acredita: vista branco pra ter paz no próximo ano, amarelo dinheiro, vermelho paixão/amor, verde esperança e as outras não sei, hahaha. Mas o mais importante é ir com roupas confortáveis: lembre que você vai andar bastante, que vai estar lotado e que é numa praia. Eu costumo ir com biquíni por baixo porque não abro mão de entrar no mar. Eu evito também roupas longas, porque a barra da roupa fica toda suja de areia, água, etc.

Reveillon em Copacabana

Muita gente também leva rosas e outras oferendas para Yemanjá, orixá do mar. Ah, e pular as sete ondinhas também é um clássico!

Independente do que você acredita, o mais importante é manter as boas vibrações, curtir o espetáculo na paz e torcer por um novo ano melhor! <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *